About Me

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Sabe a série que você deveria estar vendo?



E aí, pessoas? Tudo certo? Faz aproximadamente 200 anos que eu não atualizo o blog, o que é uma vergonha, mas a vida não estava exatamente fácil e a verdade é que eu não estive inspirada ou motivada a escrever durante muito tempo. Mas essas questões a gente deixa pra análise ou talvez, algum dia, eu conte por aqui. Vamos ao que interessa.

Se o título dessa postagem deixou você curioso(a), devo dizer que a história da série que eu tenho pra indicar vai deixar ainda mais. Gente, é perfeição demais. Mas, sem mais delongas, o tesouro de entretenimento – será que eu sou muito entusiasta? - que eu comecei a assistir esse ano é: OUTLANDER.

A série é baseada na saga literária A Viajante do Tempo, da escritora norte-americana Diana Gabaldon. A história acompanha a vida da inglesa Claire Randall (interpretada pela maravilhosa Caitriona Balfe), uma mulher independente e à frente de seu tempo, que atuou como enfermeira do exército inglês durante a Segunda Guerra Mundial. Com o fim da guerra, ela retorna para o marido historiador, Frank Randall, de quem esteve distante durante os anos de combate.

Para se reaproximar, o casal viaja em lua de mel à Escócia, mais precisamente, à pequena cidade de Inverness, onde eventos inesperados começam a se suceder. Como o título da saga de livros revela: Claire, inadvertidamente, acaba viajando no tempo para uma Escócia dividida pelo domínio inglês e a resistência jacobita, no ano de 1743.

Se você, como eu, curte história, inglês, a Escócia, personagens femininas fortes e independentes, dramas intensos e romance, vai assistir a primeira temporada em tempo recorde.


Toma aqui o trailer da primeira temporada e uma fotinho da lindona da Claire:



Olha essa rainha poderosa com a serenidade no olhar de quem sabe que é dona da coisa toda.

Não digo mais nada! Vão correndo assistir a essa maravilha.

ALERTA DE AMIGA: Se tem uma coisa que eu não sugiro é você seguir as redes sociais da série ainda se for começar a assistir agora. Sem querer ser preconceituosa nem nada com fãs de GoT, até tenho amigos que são, mas alguns fãs de Outlander são como os de GoT no quesito SPOILERS. Então fique longe da seção de comentários. Ou melhor, não visite as páginas oficiais da série ainda, porque, se você for louco como eu, qualquer imagem postada que eu ainda não tenha visto já acaba com meu dia. É SPOILER.  

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Laços afetivos e a marcha do tempo



Na vida a gente precisa saber ser para o outro o que dele se espera, assim como saber que amor nenhum causa angústia, porque deve ser refúgio da aspereza do mundo lá fora. Sempre achei que eu soubesse muito bem disso, mas a verdade é que eu demorei a perceber que raríssimas vezes soube fechar o ciclo da reciprocidade, tanto porque já esperei mais do que ofereci como porque já me dediquei a quem não me considerava. Com alguma sorte, não tive perdas significativas no processo de aprendizagem e hoje tenho ao meu lado apenas pessoas com quem me importo e que me ajudam a ser melhor.

A verdade é que o tempo tende a esculpir nossa percepção. Não que o aprimoramento seja espontâneo, porque não é mesmo. Não evolui quem acha que está perfeito, mas quem reconhece suas falhas e vai em busca de corrigi-las. Só o tempo, com a bagagem de experiência que proporciona, para nos indicar alternativas que não víamos antes. 

A juventude abarca o mundo com avidez, é quando a maioria quer tudo em excesso e não tem prioridades sérias. São tão frouxas as nossas prioridades nessa época que, muitas vezes, nós nos encaixamos em todos os grupos, navegando de um para o outro num mar de sujeitos de todos os tipos, de todas as personalidades. Não é aí que filtramos nossos afetos, pois a preocupação ainda é acumular.

É o transcorrer dos anos que vai demonstrando a força e a coerência daquelas conexões pessoais. Não é afeto quando nos forçamos continuamente a permanecer, quando não faz sentido nenhum, quando sofremos e nos anulamos nem quando não conseguimos crescer. Afeto não se mede em convivência, mas em respeito, parceria, cuidado, consideração. Também não se mede em quilometragem, telefonemas ou mensagens de texto. Tem muito mais a ver com sintonia. Afetos que sobrevivem ao teste do tempo contamos em poucos dedos. O tempo nos ensina a filtrar nossa bagagem e isso é normal. 

Não me entenda mal. A questão aqui não é nos restringirmos àqueles com quem temos mais intimidade, mas não nos forçarmos a manter por perto pessoas que não nos acrescentam coisas boas, apenas nos submetem a momentos de superficialidade ou angústia. Sou alguém que não priorizo relações superficiais e, apesar disso, indo contra minha natureza, mantive por muito tempo relações que não me acrescentaram e que chegaram a me anular diversas vezes.

Não é nossa missão mudar ninguém. Nem mesmo um direito, eu diria. Aqueles que nos submetem a angústias desnecessárias, que afetam nosso cotidiano e nos impedem de encontrar paz de espírito nunca foram nossos afetos. A vida fornece as ferramentas a todos para que aprendamos a ser melhores, mas, como eu disse antes, esse aprendizado não é espontâneo e depende totalmente da nossa vontade de desconstruir comportamentos e concepções equivocadas. 

Aceite o conselho do tempo e reorganize suas prioridades também em relação às pessoas que orbitam seu universo. Não aceite relações abusivas, superficiais, nocivas de qualquer natureza. Nossa vida na terra é um sopro e é apenas nesse pequeno período enquanto respiramos que podemos nos dedicar aos nossos verdadeiros afetos, aprendendo juntos em harmoniosa reciprocidade.